“Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou” (Apocalipse 21:4)

A Escritura nos lembra que Deus guarda nossas lágrimas em uma garrafa. Somos informados no Salmo 56:8: “Registra, tu mesmo, o meu lamento; recolhe as minhas lágrimas em teu odre; acaso não estão anotadas em teu livro?”.

Em Israel em 2008, antes de nosso filho Christopher falecer, estávamos correndo pela cidade, e fomos até uma loja de antiguidades judaicas sobre a qual eu tinha ouvido falar. Nessa loja havia relíquias de 3.000 anos. Era como um museu, exceto que deixavam você segurar as coisas (se você as deixasse cair, naturalmente, isso lhe custaria uma fortuna). Conforme olhei ao redor, vi muitos fragmentos de cerâmica e muitas coisas bem velhas.

E destacando-se no meio de todas aquelas antiguidades estava uma bela garrafa azul translúcida. Então perguntei ao homem que era dono da loja:

– Senhor, o que é essa garrafa azul?

– Oh, isso é uma garrafa romana de lágrimas.

– Sério? Nunca ouvi falar de uma garrafa romana de lágrimas… Pra que serve?

– Os romanos acreditavam que, na perda de um ente querido, se pusessem as lágrimas numa garrafa elas seriam recordadas no Céu.

Lembrei-me imediatamente do que o salmista disse: “[…] recolhe as minhas lágrimas em teu odre; acaso não estão anotadas em teu livro?”

Bem, tenho uma garrafa de lágrimas (não a da loja de antiguidades judaica, que era muito cara). Tenho uma garrafa de lágrimas no Céu, onde Deus guarda um registro de cada lágrima que eu derramei – e onde Ele também guarda um registro de cada lágrima que você derramou.

Deus guarda nossas lágrimas em uma garrafa para que, um dia, Ele as enxugue.