“Então disse Absalão a Aitofel: Dai conselho entre vós sobre o que devemos fazer.”
2 Samuel 16:20

Ao lermos esta passagem, podemos observar os contrastes da vida de Davi e seu filho Absalão. Davi foi escolhido (e ungido) para ser rei, Absalão queria ser rei.
David estava disposto a servir e a esperar, mesmo que fosse tão difícil ele servia um rei inseguro e egocêntrico (Saul).
Mas Davi teve paciência e esperou em Deus.
Absalão por sua vez, era impaciente e decidiu resolver as coisas com suas próprias mãos, usurpando o papel do rei.
Davi queria adorar a Deus e servir aos outros.
Absalão queria ser adorado e que todos o servissem.
Não é de admirar hoje que a bandeira de Israel é a Estrela de Davi e que ele talvez seja o líder mais venerado da história de Israel.
Lembrado até os dias de hoje, após importantes expedições arqueólogos encontraram uma cidade, e deram a ela o nome de a “Cidade de Davi”.
Já o legado de Absalão não pode ser encontrado além do desdém quando as pessoas se referem a um traidor, assim como foi “Absalão”.
David foi amado pelas pessoas que ele serviu e confiou no Deus que ele adorava.
Absalão foi perseguido pelo povo de Israel e morto, e havia rejeitado ao Deus de Israel.
Por fim, apesar de Absalão usurpar seu trono, seu pai, David, chorou a notícia da morte de seu filho.
Não consigo imaginar o constrangimento público da traição familiar.
Davi teve que fugir para salvar a sua própria vida.
Não é de admirar que Davi seja descrito na Palavra “como um homem segundo o coração de Deus”.
Os grandes homens não se alegram com a notícia da morte ou destruição de seus inimigos. Eles se arrependem de não poder resgatá-los ou salvá-los.
Absalão exigiu respeito e acabou sendo ridicularizado.
Davi estava disposto a ser ridicularizado e acabou sendo respeitado.
O coração ruim leva a ações ruins que levam a legados lamentáveis.
O bom coração nos leva a boas ações que nos levam a legados admiráveis.
Que legado você quer deixar para suas próximas gerações?